domingo, 3 de outubro de 2010

Diário de bordo 2

O ensaio
Estranho essa coisa de ensaiar uma performance porque na verdade o que fiz, foi a performance no meu quarto. “Ensaiar” a performance é fazer a performance. Mas ensaio foi importante e apontou algumas questões de pré-produção importantes para o registro em vídeo. As escovas que tinha em casa eram muito pesadas e não conseguí a mobilidade necessária para o trabalho, precisava comprar outras. Percebi também que meu cabelo precisava de um corte e que tinha que acertar algumas coisas na minha postura. Esse tipo de reflexão me leva a perceber que a preocupação com a imagem talvez seja a grande diferença entre a o ator e o artista plástico na hora da performance. Ensaiei duas vezes no total, gravei os ensaios com a webcam. Fiquei muito cansada e com dor de cabeça.

A performance e a gravação
Passei a quinta feira dia 30, às voltas com a preparação do trabalho e com a filmagem. Foi um trabalho intenso e fiquei muito cansada no final. Contei com a ajuda imprescindível de Valério Fonseca, Tarik Vasques, Rany Carneiro e Gaia Catta para a realização do vídeo e da performance. Fiz o trabalho em uma casa vazia e usei o áudio do vídeo original como guia, deixei o vídeo rolando para que a câmera captasse o áudio do vídeo de Marina Abramovic. A pior parte, foi quando acabou e me pediram para fazer mais uma para garantir. Típico de quem está gravando um vídeo. Quase morri de exaustão, mas fiz de novo. Ainda não vi o resultado do vídeo, as imagens gravadas em mini dv vão ser importadas para o computador e editadas. Meu trabalho só estará pronto após a edição e ainda tenho que fazer o relatório com os conceitos que quis trabalhar. Espero que o vídeo tenha ficado bom e que mais idéias surjam durante a edição. Abaixo um pequeno making off

video

4 comentários:

  1. Candida, perdão pela demora...
    Legal a reflexão sobre o ensaio, fiquei com vontade de te-lo visto... Enfim, de ter visto no seu rosto e corpo os questionamentos que te levaram a esta escolha. Mas aí penso: será q se o ensaio tivesse sido gravado teria a espontaneidade do treino, das suas descobertas subjetivas, bem como as das objetivas e técnicas para a confecção do vídeo? E então me dou conta de que só sinto esta vontade pq o seu relato me permite adentrar em seus sentimentos, seu cansaço, etc. E q, talvez, seja este o caminho que me conecte ao resultado gravado - qdo estiver pronto - independentemente das escolhas da edição.
    Bjokonas.

    ResponderExcluir
  2. com o feriado, ainda não recebi as imagens importadas da fita de mini dv. Ai, ai..

    ResponderExcluir
  3. Interessante a idéia de um diário de bordo. Como diz a Dani, ele é diferente da análise final, que estabelece um diálogo com os textos estudados em sala de aula (Regina Melim, Lehmann, Claudio da Costa, Bourriaud). Vemos isso segunda. Neste sentido, é interessante ver como funciona o diário de bordo e a análise final, no sentido de compreensao da performance e do trabalho. O retorno de todos (como da Dani, neste caso) é fundamental para que a reflexao avance.

    ResponderExcluir
  4. Ih só estou vendo seu comentário hoje Tania! o blog não avisa. Acho que no fim deu tudo certo, gostei de fazer o video, de pesquisar arte conceitual, descobrir coisas etc. Procurei postar videos aqui sempre que pude e achei importante fazer um diario do processo. Estou lendo eles agora.

    ResponderExcluir